sábado, 29 de janeiro de 2011

Feiras livres: um lugar democrático

Há quem acredite que as feiras livres é coisa do passado e que em algumas cidades só trazem mais transtornos do que benefícios. A realidade mostra o engano de quem defende esta posição e prova que não inventaram um substituto à sua altura. As feiras livres são ainda imprescindíveis para o abastecimento da população e sua longevidade está plenamente garantida.              


Mantendo basicamente as mesmas características há centenas de anos, as feira têm conseguido a concorrência de modernos supermercados. Não existindo tecnologia ou eficiência nos caixas de supermercados que substituam o contato direto entre vendedores e compradores, o calor humano, as amizades que nascem do convívio semanal, entre uma barraca e outra.


 É por se manter em oposição da frieza e da falta de sociabilidade do mundo moderno e informatizado, que a feira livre tem seu lugar garantido nas ruas das cidades de todo o mundo, pois são democráticas, todos são iguais, tratados com a mesma atenção e respeito, e todos prezam essa simplicidade. Haja visto a feira do Centro Comercial de Itabuna, onde os feirantes conhecem seus fregueses, suas preferências e necessidades.



A feira livre é um ambiente onde o camponês se realiza na cidade. Amadas ou odiadas, podem até acabar, mais vai levar algum tempo. Apesar das queixas, mínimas diga-se, de quem tem uma na porta de casa e despertado, ainda de madrugada, pelo barulho dos caixotes sendo descarregados(...), com lixo espalhado pela rua, e com os transtornos do trânsito e de quem odeia as gritarias dos vendedores, não há sinais de fim da feira, mesmo porque nela o cidadão pode apreciar o frescor daqueles alimentos com direito a escolha diante de um vendedor que tem uma história de vida, pois geralmente quem planta é quem vende.


Por -Mª Amélia Andrade; Mª Gilcélia Pinheiro; Saulo Rondinelli X. da Silva


Fotos: Junior Galdino

2 comentários:

  1. Tá, gostei desta matéria sobre a feira livre! O mais interessante é que falamos e falamos das feiras, mas nunca deixamos de frequentá-las. Tem dia marcado toda semana, geralmente aos sábados. Inclusive nos grandes centros os "shoppings centers" e os supermercados de ponta ainda não conseguiram abolir prática tão cultural. Muitas vezes vou à feira só para conviver com o calor humano que pulsa sem parar, bem como sentir o cheiro das frutas mais tradicionais da região, as quais mais afetam nossos sentidos, que são o melão, a goiaba, a manga e o caju. Valeu e até mais, querendo Deus. Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. adalgiza batista3 de abril de 2011 11:27

    gostei da postagem ,se a feira livre acabar como eu q conheço pouco as verduras e frutas vou saber o melão esta bom ou não?sim,porque o caixa do supermercado não bsabe.o vendedor de feira livre sabe de coisas q nem dá pra imaginar,eles nos ajudam na escolha das frutas e legumes,são indispensáveis na verdade.

    ResponderExcluir